Com o adiamento da Festa da Flores e Morangos, Atibaia deixará de gerar cerca de mil empregos diretos e indiretos

Publicado em 07/07/2020 Editoria: Turismo

Evento é responsável por movimentar o turismo local atraindo todos os anos uma média de 100 mil visitantes. Com a pandemia e isolamento social setor de flores de corte chegou a perder 95% da sua produção.

Armando Teixeira Junior

A Festa das Flores e do Morangos de Atibaia  é um dos eventos mais importantes do calendário anual do município e neste ano, em virtude da pandemia causada pelo Covid-19, teve de ser adiado.

Os impactos econômicos da não realização da festa em 2020 atinge não apenas os produtores rurais e expositores, mas o setor de turismo, a rede de hotelaria, gastronomia, além de profissionais de diversos setores que atuavam direta ou indiretamente na organização do evento.

Mesmo diante da crise que atinge o setor, os produtores de flores e morangos em Atibaia estão otimistas e procurando novas formas de se adaptarem as exigências atuais de isolamento social e conseguirem escoar a produção. A expectativa é que em 2021 a festa possa ser realizada e traga novamente para Atibaia um grande número de turistas e visitantes, compensando de alguma forma a queda da produção deste ano.

O Portal Atibaia News, através da assessoria de imprensa da Festa das Flores e do Morango, entrevistou Márcio Hiranaka da Associação Hortolândia de Atibaia, que falou sobre os principais impactos econômicos gerados pelo adiamento desta edição da festa.

Portal Atibaia News: Existe uma estimativa de quantos empregos diretos e indiretos são gerados todos os anos com a Festa das Flores e do Morango de Atibaia?

A Festa de Flores e Morangos de Atibaia gera em média mil empregos diretos e indiretos. Grande parte destas contratações são para trabalhar em diversos setores do evento como; decoração, atendimento ao turista, controladores de público, manutenção, limpeza, administração. Também temos as contratações realizadas por expositores, que durante o evento precisam de mão de obra para atendimento de público e o próprio comércio da cidade de Atibaia, que também presta serviço ao evento.

É possível dimensionar quanto o adiamento desta edição irá impactar o setor de turismo do município? Em média quantas pessoas visitam o evento todos os anos?

Nos quatro finais de semana do evento recebemos mais de 100 mil visitantes, vindos do estado de São Paulo e de outras localidades do país. Mais de 50% dos visitantes do estado de São Paulo utilizam a rede hoteleira para hospedar no município, além excursões de diversas regiões que utilizam do mesmo serviço. O evento recebe em média mais de mil excursões a cada edição, vindos do RJ, RS, MG, ES, SC.

Como os produtores estão lidando com a necessidade de quarentena e isolamento social? A produção deste ano será impactada de alguma forma?

A produção de flores do município teve uma queda de 80%, muitos produtores chegaram a perder 95% da sua produção nos primeiros meses da pandemia. A cidade de Atibaia é destaque nacional na produção de flores de corte, vaso e forração, com a pandemia tivemos vários canais importantes de comercialização de flores suspensos, como Veiling Holambra, Ceasa e Ceagesp, que são os principais polos de escoamento da produção do município. As flores de corte também foram as mais afetadas e continuam sendo, pois, os eventos e serviços de funerária que usam as flores para ornamentação estão suspensos.

Alguma estatística sobre quantas flores e morangos deixarão de ser comercializados por causa da pandemia?

 Segundo os dados do Instituto Brasileiro de Floricultura (Ibraflor) o mercado nacional da produção de flores teve queda drástica nos primeiros meses da pandemia, um prejuízo de mais de R$ 1 bilhão, voltou somente ter uma pequena melhora após o dia 07 de maio com a reabertura dos centros de distribuição e floriculturas.

A comercialização de flores e morangos, dentro da Festa de Flores e Morangos de Atibaia, é realizada por duas associações; Associação de Produtores de Flores de Atibaia, Pró-flor, cuida da venda de flores, na edição de 2019 a Pró-flor comercializou mais de 400 mil itens em seu espaço, estes itens são: flores, mudas, plantas verdes, vasos, insumos e demais itens. A comercialização dos morangos é feita pela Associação dos Produtores de Morangos e de Hortifrutigranjeiros de Atibaia, Jarinu e Região, o consumo da fruta na edição passada foi de 80 toneladas (consumo no evento e venda), a previsão para 2020 é de 3 milhões de pés de morango, sendo que cada pé produz 1 quilo por safra.

Por fim qual a solução para enfrentar de forma positiva esse momento? Quais alternativas serão implantadas para minimizar o impacto negativo da pandemia?

Referente ao produtor rural, a Associação Hortolândia de Atibaia, que é a realizadora da Festa, está apoiando a iniciativa da Pro-Flor na realização da Feira Permanente em Atibaia, que é uma forma do produtor rural do município escoar parte de sua produção e minimizar o seu prejuízo. Outra medida que apoiamos é o incentivo para que o público compre flores diretamente do produtor, fazendo a economia movimentar e criando novos meios de superação. Sobre o evento estamos estudando formas de manter o evento vivo na memória das pessoas e temos a certeza que para 2021 estaremos mais fortes e iremos trazer um lindo evento para todos os moradores de Atibaia e visitantes.

Fonte: Márcio Hiranaka
Assessoria de Imprensa: Cristiano Siqueira

 

› FONTE: Atibaia News (portalatibaianews.com.br)